sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Estarei tricaidescafóbico ou parascavedecatriafóbico?!

     Não sei! Mas lá que me estão a pôr a jeito não duvido!


     Perante a novida-de de que vou pagar mais Imposto de Rendimentos Sobre Pessoas Singulares (IRS) - como se já pagasse pouco -, o dia de hoje começa em beleza! Pudera! É sexta-feira 13.
     Em apontamen-tos anteriores, tive já oportunidade de me referir a este dia e a esta doença asso-ciada ao número treze. E, sendo sexta-feira, a fobia é maior (parascavedecatriafobia ou frigatriscaidecafobia) . Tão aziago é o dia que se confirma a tradição, desta feita com o governo a anunciar a atualização das tabelas de IRS - diga-se que atualizar significa, na prática, pagar mais. É sempre bom saber isto, particularmente quando há anos o salário não é atualizado.
     Felizes e contentes, cá vamos nós, no início de mais um ano, à espera de novidades... novidades, sublinho... porque ser roubado nos rendimentos do trabalho não é nova nenhuma há algum tempo já.

   O dia tornou-se pesado, portanto! Uma bruxa ou um gato preto davam jeito. E não sou supersticioso. Tomara se fosse!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

É de génio!

    De cada vez que me falam de justiça e de igualdade de oportunidades, apetece-me desligar o botão.

      Tudo a propósito de avaliação, alunos e a justiça que nem sempre a igualdade traz. Já o escrevi antes; retomo o tema, tanto pelas igualdades injustas como pela justiça desigual. Não é jogo de palavras. É antes a consciência de que nem tudo pode ser colocado no mesmo saco e qualquer um de nós (singular) tem de estrategicamente sobreviver no meio de muitos, no seio do plural. Não é fácil, por certo, quando as variáveis são múltiplas e a diferenciação e avaliação alternativas requerem uma gestão de tempo incompatível com a forma como muitas vezes a escola se organiza. 
      Frequentemente Einstein é citado justamente para dar conta de que, segundo ele, todos somos génios; contudo, quando se avalia um peixe pela capacidade que tem para trepar árvores, deixa-se que a vida deste seja encarada como completa inutilidade.
       É um pouco isto mesmo o que se pode deduzir desta ilustração:


     Sorte do macaco, por certo (ou, nos termos do examinador, "igualdade"). Justiça, onde estás?
     Um pouco na mesma linha vejo outras situações, distintas das de testagem. Medidas de apoio, por exemplo. Dar uma mesma resposta a problemas de natureza tão diversa soa-me a manutenção destes últimos, com mais um: o de se ter adotado uma medida que, não resultando e não alterando o estado de coisas inicial, há que justificar. Ou seja, ampliam-se, inconvenientemente, os trabalhos, as dificuldades, os caminhos que não levam a lado nenhum.
      Neste ponto de não chegada está ainda o exercício de adivinhações por que se entra, quando se pedem números para médias que reflitam resultados superiores aos do ponto de partida, como se, ao longo do processo, o retrocesso não existisse; como se o desvio nunca acontecesse; como se o erro, o engano, a falha e a perda não fizessem parte da vida. Confundir o conjuntural com o estrutural é tão erróneo como não ver no último o primeiro, por mais que este possa não ser o dominante.Tão absurda parece a situação quanto a bola de cristal ser baça e inútil o tempo gasto a prever uma certeza que não o é e que nem sempre se cumpre (mesmo no que de mais científico existe). E mesmo quando a opinião partilhada do absurdo surge, mais inconveniente se torna a insistência para avançar com o número. "Cheira", no mínimo, a compromisso tal qual Saramago o definiu: "liberdade que a nós próprios negámos" (in O Ano da Morte de Ricardo Reis - divisão III do romance), algo bem distinto daquele outro que vejo mais engajado com o princípio da vontade. 

    Quando se confunde inclusão com avaliação-classificação, sem reconhecer diferenciação e práticas alternativas assentes em criteriação em processo / construção / negociação, torna-se disfuncional o próprio sentido de educação e formação (regular ou não).

sábado, 7 de janeiro de 2017

Pela democracia por que se bateu

      Em vida de democracia chega a notícia da morte (já) esperada.

Retrato oficial de Mário Soares (pintado por Júlio Pomar) 
no Museu da Presidência da República
       Faleceu Mário Soares.
   Importante que foi, suscitou adesões e contestações públicas, como todos os grandes que não foram conformistas e que se bateram por aquilo em que acreditavam.
     Estadista (que não quis ser e no que disse não se rever) com lugar na história política portuguesa, manteve-se fiel a uma ideologia independentemente de esta, em vários momentos, ter sido mais ou menos consensual. Na governação e na presidência da república portuguesa, esteve nos momentos mais relevantes do país nos últimos cinquenta anos, sem ter deixado de, anteriormente, intervir ativa e resistentemente contra uma ditadura que o levou à prisão e ao exílio antes de 1974; sem ter desistido de imprimir um cunho libertador de totalitarismos na jovem democracia, desde então.
     O seu protagonismo (que recusou, por princípio) está indissociavelmente ligado ao combate vitorioso da democracia e da liberdade - facto que o coloca, no final dos seus 92 anos, no lado devido da História e numa posição de referência nacional e internacional reconhecidas, pelo socialismo que defendeu e ajudou a fundar em Portugal; pela sociedade democrática e pluripartidária que representou; pela integração europeia plena a que destinou o país.
     O socialista, republicano e laico que assumiu ser submeteu-se ao plebiscito popular, algumas vezes ganhando outras perdendo. Reconheceu que "Só é vencido quem deixa de lutar". Disto não pode, por certo, ser acusado. Por isto ficará na História; do mais, muitas outras histórias se contam e contarão, que não apagam o que foi o seu papel e a sua visão para o país.
   
     Herdeiros que somos do regime por que lutou, resta agradecê-lo a uma das figuras maiores, se não tiver sido a maior de todas na democracia portuguesa.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Da noite para o dia de... Reis

      Hoje trabalhei e amanhã devia ser feriado. Tenho dito (ou melhor, escrito).

     Sou do tempo em que o início do segundo período letivo só acontecia depois desta celebração. Creio que não perdi muito com isso; hoje, acho que ganharia uns dias de descanso que a pausa letiva de Natal não deu. Ao menos, o dia de manhã - era uma boa forma de começar os feriados no novo ano.
    Na tradição católica cristã e segundo o Evangelho de S. Mateus (2: 1), Cristo recebeu a visita dos magos do oriente logo após o seu nascimento. Ora, a noite de 5 para 6 de janeiro homenageia este evento, num costume que data do século VIII. Belchior, Gaspar e Baltazar (sacerdotes para uns, magos para outros, reis para muitos mais) são três. Há quem diga que tenham sido mais; todavia, a bem dos três presentes oferecidos a Cristo (ouro, incenso e mirra), ficou tudo reduzido a uma tríade, nomeadamente os magos - que o Venerável Beda (monge inglês do século VIII) regista como sendo, respetivamente, um velho de setenta anos, um moço de vinte e um mouro de quarenta.
      Em Espanha, a troca de prendas natalícias acontece nesta noite. Em Portugal, anteciparam-se as ofertas para a noite de 24 de dezembro. Resta, agora, comer o bolo-rei (hoje já sem brinde nem fava - na família, quem encontrasse esta última devia trazer o bolo de Reis do ano seguinte) e ouvir "as janeiras" ou as "reisadas" (cantar de reis), de grupos que cantam músicas populares e tradicionais de porta em porta, algumas das quais com poemas singelos alusivos:

Dia de Reis

Vieram os três Reis Magos
Das suas terras distantes
Guiados por uma estrela,
Cujos raios cintilantes
Os levaram ao Deus Menino
Que, a sorrir de bondade,
Recebeu os seus presentes
E os acolheu com amizade.



Os Três Reis Magos

Já os três reis são chegados
À lapinha de Belém
A adorar o Deus Menino
Nos braços da Virgem Mãe.

Os três reis do Oriente
Vieram com grande cuidado
Visitar o Deus Menino
Por uma estrela guiados.

A linda estrela os guiou
Até à sua cabaninha
Onde estava o Deus Menino
Deitadinho na palhinha.

Venho dar as Boas Festas
As Boas Festas d' Alegria
Que vos manda o Rei da Glória
Filho da Virgem Maria.


     Nalgumas localidades do interior português (Vale de Salgueiro, em Mirandela), há tradições que se cruzam, nomeadamente a católica cristã com a celta. Daí o registo de algumas práticas hoje encaradas como singulares:

Registo da RTP1 sobre a tradição dos Reis em Vale de Salgueiro

     Há quem chame a esta festividade "Epifania". Eu só queria que a revelação fosse a de que amanhã é feriado! Essa seria a manifestação suprema!

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Canibalismo ou ambiguidade?!

    Isto de comer tem muito que se lhe diga.

   É verdade que o verbo comer admite vários significados (dos mais literais e denotativos aos mais figurados e conotativos). Contudo, há que ter cuidado quando se leva à letra o que é dado a ler:


    Escrita está a proibição de ingestão de duas pessoas "no mesmo prato". Conclusão: é permitido comer duas pessoas, cada uma num prato! A ser assim, trata-se de um restaurante com prática de canibalismo pela certa.
    Estou a ouvir alguns alunos meus quando, ao escreverem qualquer coisa com ambiguidades deste tipo, me dizem "Oh, o professor percebe!"
     Claro que percebo o sentido de um aviso que está completamente desajustado na interpretação feita e evidentemente marcado na incorreção sintática cometida. Se a intenção é uma, a escrita deve ir ao encontro dela. O problema é que isso não acontece e uma espécie de ambiguidade sintático-semântica se instala (mais não digo, porque, necessariamente, desconheço restaurantes, botecos ou tascas, que sejam, a servir pessoas como refeição). Isto de confundir o agente (quem come) com o objeto (o que é comido) é desconhecer os papéis semânticos implicados na construção da frase e construir universos de mundo, no mínimo, inusitados.
     Se não é permitido que duas pessoas comam no / pelo mesmo prato, escreva-se isso e não outra coisa. Mesmo recordando Padre António Vieira e o Sermão de Santo António, os homens que aí se comem (uns aos outros, tal como os peixes repreendidos) são imagem de uma antropofagia social criticável (típica da corrupção que, na Terra, persiste). Convenhamos que exercer influência. tirar proveito, usar, enganar podem ser situações associadas a 'comer' (conotativamente), mas sem faca e garfo; sem espaço de restauração.

     É bom que a direção do estabelecimento saiba exprimir o que quer no aviso, para que surta o efeito desejável (não vá aparecer um par de canibais a pedir duas pessoas em pratos separados, para dar cumprimento ao aviso ou à chamada de atenção).

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Sabem que mais... Novo ano tudo igual

      As consequências da passagem de ano podem ser desastrosas.

    O fogo de artifício tem destas coisas: assusta os animais, estes desaparecem e, depois, é preciso escrever avisos. Aqui vai parte de um (para que não se publicite o que até interessa, mas, para o caso, é irrelevante):

Segmento de um aviso publicitado no Facebook
    
      "Pelo cumprido"?! Mas... o que é que o pelo cumpriu para se dizer cumprido?!
     Senhores!!! Muda o ano e a asneira mantém-se! Isto de confundir palavras parónimas não está com nada. Depois desta, só me faltava ler, no final do aviso, "Melhores comprimentos". Santa Paciência!

      Comprimento para medida; cumprimento para saudação ou para resultado de 'cumprir' algo. Aqui fala-se da medida (do comprimento) do pelo... o pelo comprido que, pelos vistos, o cão tem.

sábado, 31 de dezembro de 2016

No fim... para começar

     Termina o ano com poesia.

     Carlos Drummond de Andrade, um dos principais poetas da segunda geração do Modernismo brasileiro, escreveu-o melhor que ninguém:

     in Poesia errante, Rio de Janeiro, Record, 1988

       Não é a primeira vez que o cito na passagem do ano (há sete anos fiz o mesmo). Palavras simples para terminar um ano e passar, qual voo de pássaro, ao início de um novo. 

        Que 2017 seja ano de voos, de música e de alegrias encontradas para todos.